Legumes frescos impressos em 3D tornam-se realidade com novo método | in "Greensavers"

Uma nova forma de criar “tintas para alimentos” a partir de vegetais frescos e congelados que permite a impressão de alimentos em 3D foi desenvolvida por cientistas de Singapura.


A equipa de investigação afirma que o seu método preserva a nutrição e o sabor melhor do que os métodos existentes.

As tintas para alimentos geralmente são feitas de alimentos purificados na forma líquida ou semissólida, depois impressas em 3D por extrusão de um bico e montadas camada por camada.


Alimentos purificados são geralmente servidos a pacientes que sofrem de dificuldades em engolir, conhecidas como disfagia. Para apresentar os alimentos de uma forma visualmente mais apetitosa, os profissionais de saúde têm usado moldes de silicone para dar forma aos alimentos em puré, o que exige muito trabalho e tempo, assim como exige armazenamento.


Enquanto a impressão 3D de alimentos significa que os alimentos podem ser facilmente produzidos no formato e textura desejados num tempo mais curto, os alimentos desidratados e os pós liofilizados utilizados ​​como tintas alimentícias geralmente contêm uma alta porcentagem de aditivos alimentares, como hidrocolóides (HCs) para estabilizar a tinta e permitir um processo de impressão mais suave.


A alta concentração de HCs geralmente altera o sabor, a textura e o aroma dos alimentos impressos, tornando-os pouco apetitosos para pacientes com disfagia. Isto pode levar à redução do consumo de alimentos e desnutrição entre os pacientes.


Para superar esse desafio, a equipa de investigação explorou várias combinações de vegetais frescos e congelados para tornar as tintas de alimentos estáveis.


Os cientistas afirmaram conseguir preservar melhor a nutrição dos alimentos impressos, que também eram mais palatáveis ​​e, portanto, deveriam levar ao aumento do consumo de refeições pelos pacientes.


O professor Yi Zhang, investigador principal da Universidade Tecnológica de Nanyang, singapura, indicou: “A nossa tecnologia ajuda a fornecer aos pacientes disfágicos dietas adequadas, ricas em nutrientes e seguras. A sua alimentação é mais digna, permitindo-lhes socializar e consumir refeições que têm a aparência, a sensação e o sabor de comida normal.


“O nosso método de impressão 3D de vegetais frescos pode ser utilizado facilmente em hospitais; asilos; creches para a população idosa com disfagia e outros distúrbios da deglutição. A investigação é também mais um passo em frente na gastronomia digital, onde podemos atender a requisitos específicos prescritos por nutricionistas, como personalização da nutrição e apelo visual. ”


O professor correspondente, Chua Chee Kai, acrescentou: “A próxima fronteira da manufatura aditiva é a impressão 3D de alimentos. Como o cenário de impressão de alimentos 3D está a evoluir cada vez mais, estamos entusiasmados em continuar a expandir os limites desta indústria para encontrar soluções inovadoras para questões globais, como segurança alimentar e sustentabilidade. ”


Créditos da Notícia: Greensavers


#sustentabilidade #segurançaalimentar #impressãodealimentos

Yacon

YACON

SUBSCREVA A NOSSA NEWSLETTER

lima com pimenta

LET'S

TALK

ABOUT

FOOD

FALE CONNOSCO

COM VONTADE DE...

... DAR UM SALTO AO NOSSO Blog ?

Lima com Pimenta

Fruit & Veg Company

contacto@limacompimenta.com

964 163 956 | 969 981 253

Algarve | Portugal

  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle

©2021 por Lima com Pimenta®

i006573.png