top of page

Ourém | De atleta a campeão do mundo como chef de cozinha

Aos 23 anos e depois de vários prémios em concursos de cozinha, Samuel Santos, Chef em Ourém, conquistou a medalha de ouro no WorldSkills Competition 2022 Special Edition, sendo considerado campeão do Mundo na profissão de cozinha.

O espírito competitivo que Samuel Santos impunha quando era atleta de meio fundo, continuou a aplicá-lo na área da cozinha onde se tornou Chef. Quando em 2014 ingressou na Escola de Hotelaria de Fátima manteve a adrenalina e o gosto pela competição, das pistas para a cozinha.


Nos últimos anos tem participado em vários concursos e conquistado alguns prémios. Em 2020 ficou em 2º lugar no campeonato nacional das profissões, World Skills Portugal 2020.


Desta vez, subiu a parada e, desafiado pelo Chef, seu antigo formador e “grande amigo” Yannick Génard, entrou na competição mundial.


Mas o concurso tem várias fases (escolar, regional, nacional e europeia) que Samuel foi vencendo até chegar à final mundial que decorreu em Lucerna, na Suíça, de 23 a 26 de Outubro.


“Saí vitorioso, alcancei o 1º lugar e trouxe o ouro para Portugal”, conta ao mediotejo.net, com orgulho.


Durante quatro dias, 28 concorrentes oriundos de vários países mostraram as suas competências na área da cozinha.


“Fiquei muito feliz”

Dividido por módulos com horários e tempos para cumprir, o concurso consiste na confecção de uma entrada, um, prato de carne, um prato vegetariano, uma ementa buffet, um cesto de pão e uma sobremesa.


Conforme relatou em entrevista ao mediotejo.net, no prato de carne, Samuel arriscou numa interpretação do Chicken Kiev, um prato tradicional da Ucrânia, fazendo uma ligação à atual conjuntura de guerra na Ucrânia.


Na sobremesa, criou uma bavaroise de frutos vermelhos com chocolate, limão e merengue, em que alguns destes ingredientes eram obrigatórios. Denominou-a de Relógio Suíço para estabelecer uma ligação ao país onde decorria a prova.


Antes de saber o resultado, Samuel confessa que “já tinha noção que tinha feito um bom trabalho, estava bastante satisfeito, orgulhoso do meu trabalho. Foi muito gratificante e fiquei muito feliz, sinceramente”.


Por outro lado, aquela medalha de ouro representou para si “o reconhecimento deste percurso todo, desde a fase regional até à final mundial”.


Actualmente Samuel trabalha no restaurante Casa do Castelo, na zona medieval de Ourém. “Estamos a trabalhar uma nova carta, a desenvolver menús de degustação, noites temáticas para dar ao cliente uma experiência gastronómica diferente sem esquecer as bases, as raízes da nossa zona”, explica o chef Samuel.


Quando lhe perguntamos se tem alguém como referência nesta área, aponta o nome do Chef Yannick Génard, formador que o acompanhou desde o início do curso e este ano de forma mais próxima na preparação do campeonato mundial. Cita nomes de outros formadores como a Chef Luísa Silvia, Chef Sérgio Parente (do IEFP de Santarém) e Chef Miléne Nobre (do IEFP de Faro).


E agora, com uma medalha de ouro ao pescoço, o que fazer? O objectivo de Samuel para os próximos tempos é “uma aposta na valorização da região”. Pretende “elevar o nome da Casa do Castelo”, restaurante onde trabalha, e “apostar na região”, mantendo em paralelo a sua pequena empresa de serviços de pequeno almoço, a Creative Cooking.


Quanto ao futuro deste sector, o jovem Chef revela estar optimista, passados dois anos da “pancada” que a hotelaria e restauração sofreram devido à pandemia. “Temos de recuperar”, conclui.


“Imenso orgulho”

“Não temos palavras que traduzam o imenso orgulho ao assistir à subida ao pódio deste jovem formado em cozinha pela Insignare – Escola Profissional de Ourém, e apoiado no mundial pelo IEFP de Santarém”, escreveu a equipa do Worldskills Portugal após a vitória de Samuel Santos, “o nosso chef de ouro!”


A equipa salienta que “Samuel foi cozinhando o seu desempenho com os melhores temperos e condimentos. Ao seu ritmo, com a sua serenidade, com a sua criatividade. Sal, pimenta e muito talento”.


No recente Congresso nacional da ANESPO – Associação Nacional de Escolas Profissionais, realizado na Maia, onde a escola Insignare esteve representada, Samuel Santos foi chamado ao palco como exemplo relevante daquilo que é um percurso de sucesso do ensino profissional. No panorama do ensino profissional, ficou o reconhecimento perante todas as escolas profissionais do país, da dedicação e qualidade formativa do percurso de Samuel.


Talentos à prova

Além do concurso de cozinha, na edição deste ano do WorldSkills, Portugal concorre em mais 11 profissões, com um total de 13 concorrentes e 12 jurados. Participa, ainda, em três profissões, apenas com jurados. Até ao dia 26 de Novembro, a selecção portuguesa esteve a dar provas da sua competência, juntando-se a mais mil jovens, que no total, participam em 60 competições organizadas em 26 cidades espalhadas pelo mundo.


Os campeonatos das profissões são competições dirigidas a jovens entre os 17 e os 25 anos, que concluíram ou se encontram a frequentar um percurso de qualificação, em modalidades de educação e formação profissional, onde é revelado o nível individual de competências, rigor e domínio de técnicas e de ferramentas para o exercício de cada profissão a concurso.


A participação de (ex)alunos que realizaram a sua formação em escolas com ensino profissional no Worldskills Portugal foi apoiado pelo POCH, atendendo à limitada participação dos mesmos nesta iniciativa, com um investimento do Fundo Social Europeu de cerca de 100 mil euros, no âmbito da promoção da Qualidade e Inovação do Sistema de Ensino.


Créditos da Notícia: mediotejo.net


33 visualizações

Commenti


bottom of page