top of page

Nutri-Score é o logotipo mais eficaz para informar sobre a qualidade nutricional

O Nutri-Score alcançou o melhor desempenho num recente estudo científico, ajudando a identificar, no supermercado, os alimentos mais saudáveis. Junte-se à nossa acção, para que o Governo adopte este logotipo.

Um estudo realizado na população portuguesa, e publicado na revista científica Nutrients, a 30 de Novembro de 2021, concluiu que o Nutri-Score, logótipo nutricional colorido na frente da embalagem, é o esquema mais eficaz para informar sobre a qualidade nutricional dos alimentos e ajudar a identificar opções mais saudáveis, nas deslocações ao supermercado. O estudo contou com 1059 participantes, que foram instados a ordenar três tipos de produtos – pizzas, bolos e cereais de pequeno-almoço – segundo a pertinência nutricional. Primeiro, sem rótulo e, de seguida, com cinco esquemas nutricionais. Os resultados demonstraram que as escolhas progrediram na sua presença. O Nutri-Score alcançou o melhor desempenho, ajudando a elencar nutricionalmente os alimentos pela ordem correta.


Solicitámos [a Deco Proteste] ao Governo, em Maio de 2021, a adopção deste esquema na parte frontal da embalagem. Para a carta que enviámos à Assembleia da República, recebemos resposta do PSD e o apoio do PAN, do Chega e da Iniciativa Liberal. No final de Setembro, fomos recebidos pelo grupo parlamentar do PSD. Pretendemos que o Governo adopte o Nutri-Score como esquema de informação nutricional oficial. É fundamental para ajudar os consumidores a escolherem alimentos mais saudáveis. Entregámos a carta aberta e um dossier aos grupos parlamentares e ao Governo, com o apoio, na altura, de 1800 consumidores (entretanto, o número de assinaturas subiu para 2400). Neles, explicamos os nossos argumentos a favor do Nutri-Score, evidenciando toda a sua robustez e crescente consenso científico e utilidade para os consumidores na definição de uma alimentação mais saudável, e como se posiciona face aos sistemas de rotulagem concorrentes. Mostramos ainda a importância do Nutri-Score para a prevenção da doença e os seus apoios nacionais e internacionais.


O estudo Global Burden of Disease, de 2019, aponta as dietas pouco saudáveis como o maior factor, entre a população portuguesa, para a perda de anos de vida. Essa é a explicação primeira para horizontes mais curtos na existência. Mais de 50% dos portugueses têm peso a mais ou sofrem de obesidade. Um panorama pouco auspicioso, mas que pode ser revertido com a adopção de hábitos alimentares saudáveis. Palavras, para muitos, difíceis de pôr em prática. Mas um rótulo nutricional intuitivo pode ser o início de uma mudança.


Ferramenta em evolução

O Nutri-Score pretende, ao mesmo tempo, ser eficiente e dinâmico. Ou seja, é susceptível de sofrer alterações, para melhor se aproximar das recomendações dietéticas. No final de Agosto de 2019, por exemplo, o Governo francês publicou uma emenda, com vista a modificar o cálculo do Nutri-Score em certos pontos. Foi graças a essa actualização que o azeite passou de D para C.


Já no Verão de 2022, o comité científico independente, responsável por acompanhar estas questões, voltou a melhorar e a rever o algoritmo. Com o mesmo objetivo: o de melhor corresponder às recomendações nutricionais. O "novo" Nutri-Score é ainda mais rigoroso, permitindo que os consumidores façam escolhas saudáveis no supermercado.


O comité científico que realizou esta última revisão recomendou, em particular, estreitar o limite entre as categorias A e B, em um ponto, para que a obtenção do Nutri-Score seja mais exigente. Além disso, o algoritmo escrutina de modo mais rigoroso a presença de açúcar e de sal, bem como a avaliação de fibras e de proteínas. Serão ainda aplicadas regras específicas para determinados grupos de alimentos, como nozes, carnes, óleos e queijos. Damos alguns exemplos.

  • Produtos integrais: obtêm um Nutri-Score melhor do que os produtos refinados, graças à maior importância atribuída à fibra.

  • Óleos vegetais ricos em gorduras insaturadas: azeite, noz ou óleo de colza terão B no Nutri-Score. As margarinas, por seu lado, atingem uma pontuação C ou D, e a manteiga, E.

  • Peixe gordo: salmão e outros peixes gordos sem adição de sal também serão mais bem avaliados.

  • Carne: far-se-á uma distinção entre carnes vermelhas e carne de aves. Como resultado, menos tipos de carnes vermelhas recebem nota A. As aves geralmente melhoram em termos de pontuação, com exceção dos produtos processados.

  • Queijo: alguns queijos duros também podem ganhar a pontuação C, devido ao seu teor elevado de cálcio.


O que é o Nutri-Score?

Interpretar o valor nutricional de um alimento embalado pode ser um quebra-cabeças. Listas de ingredientes e tabelas nutricionais, embora relevantes, são complexas, difíceis de interpretar e exigem tempo de análise, pelo que pouco ajudam a esclarecer os mais leigos. Alguns estudos provam que o Nutri-Score é um esquema intuitivo. É ainda bem compreendido por pessoas com poucos conhecimentos em nutrição e com baixo nível socioeconómico, o que o torna uma ferramenta interessante para combater as desigualdades sociais. Adoptado em sete países europeus, e apoiado por várias associações de consumidores, o Nutri-Score também reúne consenso entre centenas de cientistas e profissionais da área da saúde.


O Nutri-Score divide-se em cinco cores (verde, verde-claro, amarelo, laranja e vermelho), ligadas, por sua vez, às letras A a E, respectivamente. Com esta escala, pretende-se mostrar a qualidade nutricional dos alimentos e, ao mesmo tempo, apostar numa interpretação fácil e rápida. Em Portugal, ainda são muitos os rótulos sem Nutri-Score, uma vez que é de uso voluntário e depende da boa vontade de fabricantes e distribuidores. A comparação entre produtos só poderá ser realizada quando o Nutri-Score marcar presença nos alimentos, de forma generalizada.

Um A sobre verde ou um E em cima de vermelho possui, na zona que os medeia, uma escala progressiva que distingue um alimento nutricionalmente mais interessante de outro no polo oposto. Atrás das letras encontra-se uma nota, determinada por pontos desfavoráveis e pontos favoráveis. As percentagens de fruta, legumes, leguminosas, frutos secos, azeite e óleos de colza e noz, fibras e proteínas são consideradas pontos positivos. Já os pontos a merecerem reprovação referem-se às calorias (energia), à gordura saturada, aos açúcares e ao sal. São estes os elementos que entram no algoritmo cujo resultado é uma classificação que corresponde à qualidade nutricional global do alimento.


Proposta por uma equipa francesa de pesquisa em nutrição, liderada por Serge Hercberg, médico com especialização em epidemiologia e nutrição, o Nutri-Score foi implementado, em 2017, como a escolha da autoridade de saúde francesa, aplicável aos alimentos transformados e pré-embalados, incluindo bebidas não-alcoólicas, para colocar na frente dos rótulos.


Portugal convive com vários tipos de sinalética para comunicar os valores nutricionais dos géneros alimentícios, o que pode gerar alguma confusão. A harmonização seria vantajosa. De acordo com um estudo de 2017, encomendado pela Direcção-Geral da Saúde, 40% dos inquiridos em Portugal não compreendem a informação nutricional nos rótulos. O Nutri-Score é precisamente uma ferramenta para ajudar o consumidor a compreender a mensagem, ajudando-o a tomar as melhores decisões de forma consciente.


Com carácter opcional, o Nutri-Score foi adoptado em sete países europeus: Alemanha, Bélgica, Espanha, França, Holanda, Luxemburgo e Suíça.


Créditos da Notícia: Deco Proteste


83 visualizações

Comments


bottom of page