top of page

Conheça a lista dos 50 melhores restaurantes do mundo. No meio está um português.

O restaurante Belcanto (Lisboa), do português José Avillez subiu 21 posições para o 25º lugar da lista dos 50 melhores do mundo, que este ano é encabeçada pelo Central (Lima, Perú), anunciou hoje a organização, avança a Lusa.


“José Avillez oferece uma visão da cozinha portuguesa contemporânea, em que cada prato conta uma história, seja sobre o país, as origens do restaurante ou o próprio chef”, definiu a lista World’s 50 Best, numa cerimónia que decorreu ontem à noite em Valencia, Espanha.

world's 50 best restaurants, foodies, fine dining, avillez, belcanto, restaurantes, gastronomia

O Belcanto, também distinguido com duas estrelas Michelin (“cozinha excelente, vale a pena o desvio”), tinha sido classificado em 46º lugar na edição do ano passado. Entrou para a lista dos primeiros 50 em 2019, para o 42º lugar, posição que manteve em 2021 (em 2020 a lista não foi divulgada, devido à pandemia de Covid-19).


O restaurante lisboeta mantém-se como o único restaurante português na lista dos 50 melhores, bem como na segunda metade da lista, do 51º ao 100º.


“Trabalhamos muito todos os dias e sentimos que estamos cada vez melhores, mais criativos, mais consistentes, mais unidos como equipa. Mas subir mais de 20 posições na mais importante lista de restauração do mundo é algo incrível. Ser o 25.° melhor restaurante do mundo nem sei o que isso quer dizer”, disse José Avillez à Lusa.


Para o chef, este prémio e subida reflectem “também a relevância crescente que Portugal, a sua gastronomia e chefs têm tido”.


“Como sempre, é uma distinção de toda a minha equipa, da minha cidade e de todo o país, e de todos os cozinheiros portugueses pelo mundo”, salientou.

O primeiro classificado da lista deste ano é o restaurante peruano Central (2º no ano passado), de Virgilio Martínez e Pía León.


“Há mais de uma década, tem divulgado os produtos do seu país, celebrando a sua diversidade e criando uma memória doce e profundamente memorável para os seus clientes”, descreveram os organizadores.


Virgílio Martinez, que subiu ao palco com uma parte da sua equipa, disse que no mundo actual, “as coisas estão a mover-se muito depressa”, mas o foco do Central é “dar consistência e credibilidade a esta indústria, a partir da América do Sul, do Perú”.


“Isto não é sobre ser o número um, não é sobre competição ou sobre ser o melhor, é sobre o que fazemos todos os dias, adoramos o que fazemos, e [sobre] continuar a conquistar os nossos bonitos objectivos e simplesmente procurar a verdade”, disse o chef.


Ao segundo lugar subiu o Disfrutar (Barcelona), dos chefs Oriol Castro, Mateu Casañas e Eduard Xatruch (terceiro lugar na edição do ano passado), enquanto o DiverXo (Madrid), de Dabiz Muñoz, ascendeu à terceira posição (4º em 2022).


Na edição deste ano, o restaurante Table by Bruno Verjus (Paris) entrou directamente para 10º lugar da lista, o que lhe mereceu a distinção da entrada nova mais elevada. Elena Reygadas, do restaurante Rosetta (Cidade do México), recebeu o prémio de melhor chef feminina.


Criada em 2002 pela revista britânica Restaurant, a escolha dos melhores restaurantes do mundo conta com os contributos de 1.080 especialistas em gastronomia, e procura “revelar alguns dos melhores destinos para experiências culinárias únicas, além de ser um barómetro para tendências gastronómicas globais”, segundo os promotores.


Créditos do Artigo: Forever Young


11 visualizações

Comments


bottom of page