top of page

A primeira Floresta Miyawaki do Algarve vai ser plantada a 25 de Março

Serão plantadas mais de 260 plantas de 17 espécies vegetais autóctones do Algarve, numa área com 100 metros quadrados.

No próximo dia 25 de Março, a partir das 10:00, será plantada a primeira floresta Miyawaki no Algarve, mais precisamente na Mesquita, próximo de Algoz, no concelho de Silves. Esta iniciativa será executada pelas mãos do projecto Floresta Nativa e por todos os voluntários que a ela se vão juntar.


Serão plantadas mais de 260 plantas de 17 espécies vegetais autóctones do Algarve, numa área com 100 metros quadrados. Estas florestas caracterizam-se por serem plantadas apenas espécies vegetais nativas da região onde é criada.


O projecto Floresta Nativa surgiu da determinação de uma bióloga, em querer contribuir para mudar o rumo de degradação da “nossa casa”, o planeta Terra, e contribuir para a recuperação das florestas autóctones nacionais.


Com início em Outubro de 2022, este projecto define-se pelos seguintes desafios: Reflorestar de forma sustentável; Restaurar a biodiversidade através da reflorestação; Restituir a floresta nativa destruída; Dar a conhecer aos portugueses um método revolucionário de plantação de florestas nativas com resultados espantosos e que, com as adaptações certas, estará ao alcance de todos.


Sónia Soares, bióloga com mestrado em ecologia e gestão ambiental e amante da natureza, é o rosto deste projecto e está à frente da organização da plantação da primeira floresta Miyawaki no Algarve, que será uma floresta para si, para os seus, para o mundo.


“O método Miyawaki remonta à década de 1970 e à descoberta do botânico japonês Akira Miyawaki, de que apenas 0.06% das florestas do seu país eram nativas. Perante esta realidade e com todo o seu conhecimento adquirido ao longo de anos de estudo, Miyawaki desenvolveu um método de restaurar as vegetações nativas, em terras degradadas ou destruídas”, explica o projecto Floresta Nativa em comunicado.


O método Miyawaki de arborização inspira-se nos ecossistemas naturais para criar florestas pioneiras: 100% orgânicas, que crescem 10 vezes mais rápido, são 30 vezes mais densas, contêm 100 vezes mais biodiversidade. São rápidas de estabelecer e livres de manutenção após os primeiros dois a três anos. Comprovado no Japão e em todo o mundo, este método tem uma taxa de sucesso de 97% para a sobrevivência das árvores, mesmo em ambientes de teste. Assim, nasce a primeira floresta Miyawaki no Algarve.


A metodologia desenvolvida pelo botânico Miyawaki, reproduz a forma como uma floresta progredia, se plantássemos apenas espécies vegetais nativas de ocorrência natural numa área, sem a intervenção humana, dada a condição climática específica e a sua localização. Este método não é único, apenas porque restaura habitats nativos usando árvores nativas.


Os princípios de arborização para a criação das florestas nativas Miyawaki baseiam-se na compreensão de como as espécies interagem numa floresta natural e na plantação de uma combinação diversificada de árvores próximas entre si, para maximizar a densidade e estabelecer o equilíbrio.


“Ao plantar uma grande variedade de árvores nativas próximas umas das outras criamos um aumento da biodiversidade vegetal proporcionando assim um incremento de espécies animais, à medida que a floresta vai crescendo”, destaca o projeto Floresta Nativa.


Estas florestas não são uma opção às florestas naturais, mas sim um meio de reflorestar habitats destruídos e melhorar ambientes ecologicamente degradados, por exemplo em meios urbanos, que por sua vez, fornecem aumento da vegetação, habitat para as espécies animais, espaços verdes e frescos de lazer e relaxamento, melhoramento da qualidade do ar, redução da poluição sonora, mitigação do escoamento superficial das águas pluviais e diminuição do efeito de ilha de calor urbano.


A iniciativa tem como patrocinadores as empresas Estúdios 7, Arroz Cigala e O Tio Faz.


Créditos da Notícia: Postal do Algarve


88 visualizações

Comments


bottom of page